Pérolas raras

UM GUIA DE CRÍTICA CONSTRUTIVA

I — INTRODUÇÃO

A crítica — expressa ou não, específica ou vaga, válida ou não — é um fato tanto na vida dentro da comunidade cristã, como fora dela. Pode tornar inimigas as pessoas e destruir o companheirismo. Pode provocar uma guerra civil dentro da comunidade cristã, absorver sua vida e destruir sua adoração a Deus e o serviço às pessoas.

Porém a crítica também pode ser saudável. Pode ser o bisturi do cirurgião que extirpa o câncer de nossas vidas e abre o caminho para uma vida integral. Necessitamos, portanto, APRENDER a dar e a receber este tipo de crítica. É disso que trata este artigo.

II — A CRÍTICA MADURA: POSITIVA E NEGATIVA

A crítica é um juízo. O crítico é um juiz que observa a evidência, avalia-a, tira conclusões e a expressa. Aplica sua mente e coração no discernimento de problemas e procura tocar seus aspectos centrais.

Uma crítica madura é saudável. É claramente um dos componentes do companheirismo genuíno a que se refere I João 1. Se temos uma verdadeira comunidade podemos dar e receber a crítica madura — um balanço equilibrado a sadio de avaliação positiva e negativa.

A — CRÍTICA POSITIVA

A crítica positiva identifica pontos fracos e ganhos. Expressa um desempenho satisfatório de acordo com o juízo do crítico.

Todos nós desejamos a crítica positiva. A avaliação por parte de fontes confiáveis e respeitáveis expressa em forma de felicitação, apreciação e agradecimento, satisfaz à profunda fome de reconhecimento de nossas almas. Ela é essencial para uma auto-imagem saudável e para perseverar nas boas obras. É o ingrediente principal do encorajamento válido que nos ajuda a superar o desânimo. Um bom/boa pai/mãe, pastor(a), mestre(a) ou líder motiva as pessoas através de palavras e atitudes habilmente escolhidas, para construir confiança e expressar apreciação não só pelo produto final, mas também pelo esforço e boa vontade de levá-lo a cabo ou de havê-lo tentado.

Contudo, devemos tomar cuidado com os extremos. Muito pouca apreciação pode desanimar a pessoa: “a ansiedade no coração do homem o abate, mas a boa palavra o alegra” (Pv 12,25). Louvor demasiado pode causar-lhe dano: “comer muito mel não é bom” (Pv 25,27).

A crítica positiva inadequada é uma das fraquezas entre os cristãos. Precisamos nos animar mutuamente de modo saudável (através da apreciação, agradecimento e felicitação), sem sermos supérfluos. Que nossa oração seja esta: “Senhor, dá-me habilidade de ver os pontos fortes e os bons desempenhos em meus irmãos e felicitá-los honestamente”.

B — CRÍTICA NEGATIVA

A crítica negativa avalia fraquezas e erros. Quando se baseia em evidências válidas, é formulada através de uma verdadeira análise e é expressa com amor à pessoa a quem se dirige, a crítica negativa pode ajudar o indivíduo a reconhecer suas debilidades e começar a tomar medidas para superá-las. Ao fim e ao cabo, não podemos nos fortalecer se ignoramos em que somos fracos e não podemos evitar erros que não vemos.

A crítica negativa pode ser DESTRUTIVA: quando se baseia em rumores, é analisada de modo equivocado e é expressa de forma insensível, sem amor e por motivos errados a uma pessoa inadequada. A crítica negativa pode causar um dano terrível não só à pessoa que é objeto da crítica, mas também ao grupo e comunidade de que ambos fazem parte.

O boato (a calúnia) é uma forma comum de crítica negativa. Muitos cristãos cometemos o pecado de falar pelas costas do criticado. As Escrituras (por exemplo Salmo 15,2-3) nos admoestam a andar sem mácula, dizer a verdade de todo coração e não falar mal de ninguém. A discórdia entre os irmãos é semeada com este tipo de crítica negativa a que alguns se referem como “o veneno da vida”. Quantas famílias, vizinhanças, igrejas, sociedades missionárias, denominações, movimentos interdenominacionais e outros grupos estão sendo desunidos e paralisados por este envenenamento!.

A “punhalada” é o oposto do boato, porque o crítico vai diretamente à pessoa expressar-lhe sua avaliação de uma forma insensível que açoita, golpeia e corta. A “punhalada”, a miúdo, é disfarçada com uma máscara espiritual de “confronto honesto”.

Quantos cristãos sofrem as feridas causadas pela crítica negativa? Quantos pastores, professores de escola dominical e outros líderes cristãos passam noites sem dormir depois de tais ataques? Muitos membros de organizações cristãs descobrem que a dor mais profunda é causada por seus irmãos na fé.

O crítico negativo não é uma pessoa agradável de se ter no grupo. Parece incapaz de reconhecer aquilo que é bom e digno de felicitação; chama atenção apenas para o que está mal ou deficiente, sempre assinalando as fraquezas dos demais. O negativismo é uma enfermidade CONTAGIOSA. Um dos mistérios da comunidade cristã é como podem existir tantos recriminadores crônicos no Corpo de Cristo.

A crítica negativa destrutiva não é saudável. Absorve a energia da gente, cria pressões e tensões e pode envenenar o grupo. Sua presença pode ser identificada quando:

1. Uma pessoa ocupa a maior parte de sua energia pensando nas fraquezas de seus amigos ou dos grupos a que pertence. Destina, em comparação, pouca energia à procura de soluções.

2. O crítico expressa seus pensamentos em tom de queixa. Fala das pessoas pelas costas. Julga mais que pede ajuda, tem pouca sensibilidade e é mais destrutivo que misericordioso.

As Escrituras tratam deste problema em vários textos: Nm 12,1-16; 16,1-3; Pv 6,16; 16,28; Mt 18,15-17; Fp 2,14; Hb 12,15; Tg 3,6-12 (*).

Se seu grupo sofre de uma praga de críticas destrutivas, um estudo dessas passagens colocará a situação na perspectiva adequada.

A crítica negativa é como fogo. No lugar correto, no tempo adequado e sob controle pode fazer muito bem. No lugar errado, no tempo impróprio e fora de controle pode causar grandes estragos.

Um grave problema entre os cristãos é saber o que fazer com a crítica negativa. Existe a forma de controlar este fogo para que produza benefícios e não prejudique, construa e não derrube, fortaleça e não envenene? A solução não é a excessiva crítica positiva ou a ausência de avaliação negativa. Todos nós precisamos do benefício de certa crítica negativa. De que outra forma poderemos tomar consciência de nossas necessidades? Nenhum de nós necessita ser adulado.

III — DEZ PRINCÍPIOS PARA FAZER CRÍTICAS NEGATIVAS, MAS, CONSTRUTIVAS

1. ORAR. “Senhor, controle e dirija minha expressão de crítica negativa. Não me permitas ‘compensar’ os pontos fracos com falsos elogios e recorrer à adulação. Não me permitas calar e manter-me silencioso, quando deveria falar. Guie minhas palavras para que a minha crítica seja construtiva e impeça que semeie discórdia entre meus irmãos”.

2. SER DIRETO. Vá diretamente à pessoa criticada. “Se teu irmão pecar contra ti, vá e repreende-o estando tu e ele sós” (Mt 18,15). Esta regra é verdadeira, seja essa pessoa seu pai ou filho, vizinho ou amigo, pastor ou membro da igreja, professor ou aluno, supervisor ou supervisionado, superior ou subordinado. É verdade tanto se estiver a mil quilômetros de distância ou na casa ao lado. A regra é válida dentro de uma organização: se não aprovo meu colega devo expressar-lhe diretamente minha crítica (não importa qual seja a sua posição), a menos que os procedimentos internos estabelecidos pela organização sugiram que seria mais sábio comunicar a crítica através da “linha” de comando (hierarquia funcional).

3. FAZÊ-LO EM PARTICULAR. Expresse sua crítica em particular. E entre tu e ele sós (Mt 18,15). Criticar uma pessoa em frente dos demais antes de discuti-lo em particular não só é descortês, mas também é uma violação de I Co 13,4: “o amor é sofredor e benigno”. Se o criticado não responde à crítica pessoal, essa será compartilhada com uma terceira pessoa que, junto com você, procurará ajudá-lo a entendê-la. “Se porém não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que pelo depoimento de duas ou três testemunhas toda palavra de estabeleça” (Mt 18,16). Tenha coragem de criticar uma pessoa direta e privadamente. Sempre é  mais fácil criticá-lo pelas costas. Se o crítico não pode expressar sua crítica diretamente, deve procurar cuidadosamente uma terceira pessoa a quem o criticado respeita e pedir-lhe que seja intermediário de sua crítica. Este processo não é tão satisfatório como a comunicação direta, mas certamente é preferível a inibir a queixa ou transpirá-la através do boato.

Algumas vezes é necessário expressar a crítica privadamente, através de uma palavra ESCRITA. Quando já existem tensões na relação, muitas vezes o confronto cara a cara causa: (a) que se evapore sua valentia e conseqüentemente não expresse sua crítica, ou (b) que a outra pessoa se feche em defesa própria, escutando seletivamente e sem compreender sua crítica.

Sejamos francos — há ocasiões em que a pessoa simplesmente não pode expressar sua crítica através da comunicação oral — e quando o criticado não pode escutá-la. É necessário, então, que o crítico se expresse escrevendo. Se não externar sua crítica é certo que isso o atrapalhará e causará maiores problemas mais adiante.

Assim mesmo, é imperativo que ajudemos as pessoas criticadas a VEREM as queixas apresentadas contra elas por escrito. Em outras palavras, se um indivíduo é surdo à sua crítica verbal, escreva-lhe uma carta com suas críticas e queixas e insista que separe algum tempo para discuti-las com você.

Atenção líderes! Se um de seus liderados não está satisfeito com o relacionamento entre vocês dois, insista para que ele expresse sua crítica por escrito, para que juntos possam discuti-la e orar em busca da solução. Isso pode ajudar você a transformar a crítica negativa destrutiva em crítica construtiva.

Não seguir os princípios 1, 2 e 3 pode causar dano tanto ao crítico quanto ao criticado. É um aspecto da semente de discórdia entre irmãos que se menciona em Pv 6,19.

Tal falsidade pode destruir uma congregação, paralisar o pastor, desanimar o grupo e envenenar o movimento. Este pode sobreviver a muitas crises, porém uma vida envenenada pode ser-lhe fatal.

4. Orientar-se por perguntas positivas. Um método eficaz é fazer perguntas sinceras ao criticado para que: (a) o crítico possa procurar maior informação e assegurar-se de que tem suficientes evidências sobre as quais basear sua crítica; (b) o criticado possa explicar sua posição; e (c) o crítico pergunte ao criticado se já considerou alternativas. As perguntas devem ser positivas, por exemplo: como você chegou a essa conclusão? Quer contar-me por quê…?

As perguntas negativas (por exemplo: por que você sempre insiste em dar sua opinião?) ou carregadas emocionalmente produzem resultados negativos.

Existem razões práticas para utilizar estes métodos. Em primeiro lugar, o criticado pode possuir informações que o crítico não conheça. Em segundo lugar, o crítico pode possuir informações que o criticado não conheça. Em ambos os casos podem compartilhar a dita informação e crescer juntos.

Porém, suponhamos que a pessoa criticada não se sinta livre para compartilhar a informação. Neste caso, o problema é de confiança. Se o indivíduo confia no seu irmão, regressará à linha de batalha para lutar contra o inimigo — não contra o seu camarada.

5. VERIFICAR MOTIVOS. Faça a si mesmo a pergunta: por que estou expressando uma crítica negativa? Feriram o meu ego e desejo portanto envergonhar alguém? Eu o faço em retaliação ou para melhorar meu status? Ou é meu motivo verdadeiramente ajudar a pessoa e fortalecer nosso grupo? Sua honestidade neste ponto poderá obrigá-lo a cancelar seus planos de crítica. Tenha cuidado de como você passa na prova!

6. SER HONESTO. Comuniquemos verbal e não verbalmente o que honestamente pensamos e sentimos — assim como nossas razões. Posso ir diretamente com minha crítica ao criticado, guiar-me por perguntas positivas, e, todavia, não comunicar meus verdadeiros sentimentos. Quando criticar, peça ao Senhor que lhe dê a coragem de ser honesto. É desonesto reter informação ou dissimular a crítica a que o criticado tem direito. Naturalmente, há ocasiões em que não é sábio expressar TUDO o que sentimos. A situação é importante, contudo, tudo o que comunicamos deve ser verdade. Como é grande a tentação de dizer uma coisa a alguém mas dizer outra completamente diferente nas suas costas! Quando ela está, expressamos críticas positivas, mas quando está ausente somos negativos. Isto é MENTIR.

7. FALAR A VERDADE EM AMOR. Os princípios mencionados não são suficientes. Posso ir a uma pessoa, guiar-me por perguntas positivas e dizer a verdade — porém de uma forma que magoe, apunhale e destrua. É fácil utilizar a fachada de “honestidade” para expressar nossa hostilidade. Por isso precisamos aplicar I Co 13,4-7: “o amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece; não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade”. É absolutamente imperativo que “digamos a verdade em amor” (Ef 4,15). Quanto de minha crítica tem raízes em minha própria impaciência, insensibilidade, inveja, caprichos e satisfação por assinalar os erros dos demais? O amor que nasce de nosso Senhor Jesus Cristo é a única cura para tais impulsos. O amor genuíno suaviza a verdade contida na crítica.

8. SER OBJETIVO E ESPECÍFICO. Baseie sua crítica em evidências objetivas e não em opiniões subjetivas. Busque a informação necessária para que esteja seguro do que fala. Muita crítica negativa parte de pessoas que não conhecem as circunstâncias e simplesmente querem dar opinião. Neste sentido, o termo OBJETIVO quer dizer: “evidência que qualquer pessoa possa observar se quiser fazê-lo e que permanece igual, não importa quem a olhe”. Portanto, a verdade não depende dos pré-conceitos ou sentimentos de quem a observa.

A evidência objetiva deve ser ESPECÍFICA. Por exemplo: se você está insatisfeito com o crescimento de seu grupo, busque dados objetivos acerca de como tem sido o crescimento e indique, especificamente, o que constitui o crescimento satisfatório. A crítica negativa objetiva, mas não específica, ajuda pouco, a menos que estimule uma avaliação objetiva.

9. GANHAR O DIREITO DE SER ESCUTADO. Se você se propõe a alcançar mudanças através de sua crítica, é importante que ganhe o direito de ser escutado. Quem o escuta prestará mais atenção às suas avaliações se o respeita. E só há uma forma de ganhar seu respeito: ter um passado consistente de boas obras. Isso leva tempo. Por isso, um membro novato no grupo, por mais títulos e credenciais que traga de outros círculos, não deve apressar-se a expressar crítica negativa. Isto não quer dizer que você deva permanecer calado durante as etapas iniciais de seu trabalho. Mas um fato é claro: é mais provável que sua crítica negativa seja recebida por mentes abertas (e, conseqüentemente, traga resultados favoráveis) se primeiro você tiver ganho o direito de ser escutado.

10. SUGERIR ALTERNATIVAS. Acompanhe sua crítica com propostas de solução. Demonstra imaturidade culpar uma pessoa e não sugerir um remédio. Qualquer pessoa pode apontar erros, mas exige criatividade propor soluções. Muitos críticos negativos são muito loquazes ao descreverem falhas, mas se calam quando chega o momento de trabalhar alternativas.

Um método bem simples para organizar sugestões é dizer: “isto é o que penso que você deveria deixar de fazer; isto é o que penso que você deveria começar a fazer”. Se for acompanhada de oração pela pessoa, sua crítica poderá oferecer pelo menos um pouco de ajuda. E qualquer grupo cristão ganhará com essa atitude.

A crítica negativa não acompanhada de amor é corrente na sociedade sem Cristo, onde é comum mexericar, ridicularizar, concentrar-se nos erros e enfatizar as fraquezas de seus líderes. Em nosso País, há muitos que podem dizer-nos o que está mal, mas raras vezes indicamos como se poderia melhorar a situação. São raros e preciosos os indivíduos que podem temperar suas críticas com uma dose de opções viáveis.

Os cristãos devem distinguir-se pelo tom e pelo conteúdo de nossas críticas negativas. Que o Senhor nos ajude a melhorar nossos testemunhos como críticos cristãos.

IV — PRINCÍPIOS PARA RECEBER CRÍTICA NEGATIVA

As sugestões anteriores têm a ver com o modo como fazer críticas negativas. Mas, ao fazê-las, estamos dizendo ao mundo que também estamos dispostos a recebê-las. As pessoas seguras de sua personalidade podem receber muita crítica, as inseguras, pouca. Em uma ocasião, finalmente ajuntei coragem para fazer uma pequena crítica a um companheiro que era muito negativo. E me surpreendi com sua resposta: “você quer que eu renuncie a meu cargo?”. É estranho que os críticos negativos mais ferinos tenham pouca capacidade para beberem o seu próprio remédio!

Não importa qual seja o grau de segurança emocional do indivíduo, existem alguns princípios que são úteis para quem recebe crítica negativa.

Deixar que a crítica seja uma forma de aprendizagem é a atitude fundamental. Aprendemos muito a respeito de nós mesmos com a ajuda dos outros. Simplesmente estamos tão fechados em nós mesmos que não podemos ser objetivos como é preciso. Sabemos como GOSTARÍAMOS de ser, e este quadro idealizado continuamente compete com o quadro verdadeiro ou real e não nos permite chegar ao que PODEMOS ser. Precisamos de recursos externos que nos dêem “pistas” acerca de como somos e como afetamos aos demais (“A teoria dos Espelhos Fantasmas”).

Uma das melhores maneiras de aprender dos outros é observar suas reações a nós. Poderemos ver se se aproximam ou se afastam de nós, se desfrutam de nossa companhia ou se se aborrecem etc. Se aprendemos as lições que essas reações nos possam ensinar, poderemos conhecer-nos melhor. Nossas ações, como sinais do radar, ricocheteiam das pessoas que nos rodeiam. Essa retroalimentação nos ajuda a avaliar nosso comportamento e decidir se somos suficientemente objetivos para interpretá-la.

A crítica construtiva é uma inestimável fonte de informação para aqueles que queiram aceitá-la. A miúdo, gastamos nossas energias tentando justificar ou racionalizar o erro, ao invés de aprender da crítica. Quando não nos colocamos na defensiva, podemos descobrir que a crítica é um verdadeiro favor. A pessoa que nos critica, geralmente não se sente à vontade ao criticar, de modo que se ela está disposta a suportar o mal-estar para ajudar-nos, devemos escutá-la e apreciá-la. Ela corre o risco de provocar nossa ira, mas nos dá importância bastante para atrever-se a fazê-lo!.

A maneira mais efetiva de aprender dos demais é, deliberadamente, estabelecer uma relação de confiança mútua e convidar a uma avaliação contínua. Assim, nossos irmãos estarão dispostos a mostrar-nos o espelho (“A teoria dos Espelhos Fantasmas”).

Mas, além deste, há outros princípios a serem observados ao sermos criticados negativamente por um irmão:

1. ORAR. Peça ao Senhor que o guie ao responder à crítica, que você seja sensível para escutar o que deve, forte para rechaçar os maus sentimentos e capaz de controlar seu temperamento e ira.

2. NÃO FICAR NA DEFENSIVA. A reação natural é a de proteger-se com tática de defesa, explicações e desculpas. É como se uma mola interna se soltasse em defesa própria. Proher, Hibler, Reploger comparam esse “reflexo” com o fechar de olhos diante da aproximação de um objeto estranho. Mas precisamos superar nosso medo da crítica!

3. PERMITIR QUE O OUTRO COMPLETE SUA CRÍTICA. Não o interrompa. Interrupções em autodefesa podem confundir o crítico e não lhe permitir concluir sua queixa. Quando lhe parecer que ele terminou sua crítica, é bom pedir-lhe que continue, e, assim, se livre de qualquer resíduo de crítica. Pergunte-lhe: “isto é tudo? Há algo mais?”. Se de fato ele tiver algo a acrescentar permita-lhe fazê-lo e quando fizer nova pausa, insista nas perguntas até que ele mesmo diga que já terminou. Mostre-lhe que você quer saber tudo o que ele pensa sobre você ou sobre o objeto de sua crítica.

4. PEDIR A EVIDÊNCIA SOBRE A QUAL SE BASEOU A CRÍTICA. Pode ser que você descubra que a evidência é válida; ou pode ser um boato ou mexerico. Se a evidência é adequada e as conclusões válidas, o crítico fez-lhe UM FAVOR ao corrigi-lo. Pode ter chamado sua atenção para algo que você ignorava ou um erro que você não sabia haver cometido. Deus pode estar usando o crítico negativo para transformar-nos!

Por outro lado, se a evidência apresentada pelo crítico é insuficiente e suas conclusões não são válidas, você terá a oportunidade de chamar sua atenção para a inadequação da crítica dele. Se por alguma razão ele não quiser escutá-lo, peça a Deus que lhe dê um coração compreensivo, uma mente aberta e a força para receber a crítica injusta.

5. PERGUNTAR A SI MESMO. “O que o Senhor está procurando fazer através/com por meio desta crítica?”. Possivelmente deseja que você mude sua atitude, seu egoísmo, sua insensibilidade e só pode fazê-lo mudar através da crítica.

6. DECIDIR SE O CRÍTICO ESTÁ EXPRESSANDO ALGUMA NECESSIDADE PESSOAL ATRAVÉS DE SUA CRÍTICA. Se ele o está fazendo, o que você pode fazer para ajudá-lo? É possível que a pessoa esteja pedindo ajuda, mas não saiba como expressá-la. Necessitamos da ajuda de Deus para evitarmos ser defensivos e para sermos sensíveis às necessidades do crítico.

7. DECIDIR POR QUE O CRÍTICO EXPRESSOU SUA CRÍTICA. Será que o crítico tem um motivo mais profundo do que aparenta superficialmente? O quanto possível, é bom esclarecer isso. Porém, tenha cuidado para não “analisar” inadequadamente. Cada crítico merece respeito. Devemos refletir muito antes de decidirmos se o crítico está enganando a si mesmo, porque é muito fácil que o criticado se engane a si mesmo também!

8. DECIDIR QUAL É O VERDADEIRO PROBLEMA. A crítica expressa o problema central ou ataca unicamente a superfície do assunto? É preciso colocar o problema dentro de seu contexto maior para poder resolvê-lo. Busque fatores escondidos por trás do explicitado e ajude o crítico a ver tudo o que está envolvido.

9. DECIDIR CUIDADOSAMENTE COMO RESPONDER. Será que devo enfrentá-lo cara a cara ou deverei chamá-lo pelo telefone, ou escreverei para ele?! Como já falamos, a via mais direta é, geralmente, a melhor. Mas, o importante é responder honrada e honestamente. O respeito pelo crítico ajudará muito na discussão de suas diferenças.

10. FALAR ACERCA DISSO. Primeiro, com Deus, depois com um amigo de confiança. Busque o conselho de amigos cuja sabedoria e perspectiva possam ampliar a sua. Isso é especialmente importante se o amigo conhece o crítico e os fatores envolvidos no caso. Quando um amigo escuta nesta situação nos beneficia com a “cura pela fala”. Se ele pode oferecer sugestões, tanto melhor, porém se não as pode oferecer, o fato de que haja escutado contribui enormemente para aliviar a carga da pessoa criticada (desde que não se envolva emocionalmente, tomando partido e realimentando o ciclo da crítica, criticando o crítico!).

V — CONCLUSÃO: PONDO OS PRINCÍPIOS EM PRÁTICA

A prática destes princípios é uma questão de discipulado. Deus nos tem chamado à unidade. Verdadeiramente somos “um no Espírito” e “um no Senhor”. Mediante o desenvolvimento da habilidade de dar e receber críticas, podemos expressar mais plenamente nossa unidade diante de Deus e revelar essa unidade ao mundo.

VI — NOTAS SOBRE O AUTOR E A FONTE

O autor é o pastor Carlos René Padilla. Ele é um dos mais destacados teólogos latino-americanos, tendo tido um papel fundamental no Congresso de Lausanne. É secretário-geral da Fraternidade Teológica Latino-americana e diretor da Revista Misión. Autor de importantes livros e artigos como El Evangelho Hoy e Mission Between the Times, este equatoriano residente na Argentina (pr. da igreja batista em Buenos Aires), foi durante muitos anos diretor adjunto da CIEE (Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos) para a América Latina e diretor das “Ediciones Certeza”.

O artigo foi uma publicação do Jornal LIDERANÇA CRISTÃ, editado pela gráfica do Grupo VISÃO MUNDIAL, edição Nº 3, Ano V, de Dezembro de 1985.

%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

PEDINDO A DEUS QUE ELE SEJA MAIS FÁCIL

Meu Deus: quero lhe fazer uma crítica, talvez até por eu não ser capaz de alcançar os Seus desígnios: Você podia ser mais fácil! O mistério da Sua existência deveria prescindir da Teologia da Fé ou da Graça e fluir claro, natural e nítido como as coisas na natureza. Você deveria ser manifesto; apreensível sem apreensão. Verdade e não necessidade.

Aprendo na Teologia que é preciso ter, não a teoria de Deus, nem a praxis de Deus, mas a experiência de Deus. EX quer dizer para fora, na direção de. PERI significa em torno, em volta de, o mesmo radical de perímetro, périplo etc., ENCIA é conhecimento, saber, o mesmo radical de ci-ência.

A experiência de Deus é, portanto, algo que O vive em várias ou muitas de Suas infinitas dimensões e de seus incontáveis lados. Não é a teoria de Deus. Não é a prática de Deus (o mundo construído, em construção e a construir). Não é a representação de Deus, em torno da qual, durante tantos séculos, girou, equivocadamente, a Teologia. É a ex-peri-ência de Deus.

A ex-peri-ência de Deus, ensina-me o grande teólogo Leonardo Boff, é a vivência ampla e multiforme de Deus, tanto no plano imanente à nossa condição de homens, como no plano transcendente. Ele me ensina o conceito de trans-parência. Como é impossível aprisionar Deus, ou explicá-LO por nossa limitada razão, só através da transparência, ou seja, algo que torna diáfana a realidade de Deus e a manifesta nas coisas e seres do mundo. Ele se manifesta através. A transparência nos permitiria experimentá-LO através das coisas do Universo, que O proclamam. Assim me ensinou o sábio teólogo num livrinho precioso: A Atualidade da Experiência de Deus.

Eu sei meu Deus que precisamos sabê-LO mais do que conhecê-LO. Eu sei que é necessário viver profundamente a experiência da Sua Ex-istência e In-sistência em nós e na vida. Eu sei, também, como Bergson, que se Você não dotou a nossa razão da capacidade de conhecê-LO ou definí-LO e se Você fez o nosso coração vacilante, ora aceitando-O, ora negando-O, Você nos permitiu a percepção da Sua existência através da intuição, fagulha de conhecimento que pode alcançar, mesmo sem definir, a pré-existência de uma realidade maior, a força geradora do Universo, do Cosmos e do Espaço sem fim.

Tudo isso eu sei!

Do zero do meu conhecimento, da pequenez da minha condição de areiazinha cósmica, fico daqui a apreciar a grandeza da Sua condição. Eu sei que por vezes fui tocado por Sua luz, mas, tão logo me dava conta do milagre da Sua iluminação, Você desaparecia; de novo Você se escondia escapando célere de minha mente, coração e nervos, talvez porque aquela fagulha da Verdade tivesse que ser compartida com outros que estavam no mesmo desespero da Sua procura! No idêntico cansaço da Sua busca!…

É por isso que eu Lhe digo, meu Deus, blasfemo talvez (quantos já mataram em Seu nome!) que há horas em que me canso de O procurar. Canso-me de esperar a Sua resposta. Irrito-me ao perceber que Você mergulhou o mundo no Mistério e de que jamais será dado ao ser humano conhecer o Todo, o Destino do mundo e do universo ou conceber tudo o que está (se é que há algo) fora da finitude descomunal de seu pobre e tolo conhecimento. Palavras como “nunca”, “sempre”, “jamais” nestas horas doem muito! Implodem angústia metafísica! Por que? Será mesmo que este é um planeta de provação? Aqui estamos só para seguir um inevitável ciclo biológico evolutivo de aprendizagem? Haverá, então, uma espécie de Estado-Maior do universo que traça planos fora do nosso alcance? Mas por que, então, nos foi dada uma inteligência capaz de se dar conta da existência daquilo que ela não pode saber? Por que nos foi dado sofrer tal limitação, tal humilhação cósmica?

Por que, diga meu Deus, é necessário sofrer tanto a dor de procurá-LO?. Por que é assim dilacerante a idéia de infinito, de morte e de desaparecimento total após termos sido dotados de tanta sensibilidade para sentir a vida e intuir o acima de nós, mas dele não saber, apenas perguntar? Por quê?

Por que uma vida inteira de indagações e perguntas, quando mais fácil seria aceitá-LO magicamente, ou acalmar-se diante de uma crença sem contraditas? Mas se só as crianças e os puros de coração O alcançam, por que, então, Você nos dotou de uma razão inquieta, abelhuda, perguntadora, afirmadora e negadora de tudo quanto vê e descobre?

Por que, meu Deus, o que chamam de Sua evidência é tão rara e difícil? Por que se torna Você passível de explicação e descoberta? Por que não é óbvio? Por que precisamos de você?

Por que, sem Você, a vida é — pelo menos — um absurdo cósmico?

Por que, diante do seu Mistério, diante da vida, diante do Cosmos, diante do universo, diante do Infinito, temos que permanecer eternas crianças metafisicamente chatas na idade do por quê?

Se Você me é possível mas difícil, perdão, a culpa é Sua. O onipotente é Você e não eu. E, se é pra tudo ficar em Mistério, por que dotar-nos da possibilidade de O defrontarmos, de O intuirmos como Mistério e nada mais.

Ah, meu Deus; há horas em que me canso de tê-LO como esperança… Há horas em que desesperadamente eu precisava tê-LO como certeza! Já estou grande demais para ser tratado como criança que não pode entrar em conversa de adulto! Já estou grande demais para ficar chorando por dentro a dor do cansaço de procurá-LO e este pavor do desconhecido que se mistura à mais deslumbrante das sensações, a do novo que está em Você, a do além e adiante que são Você, a da surpresa que é Você, a do encontro afinal liberador com a paz da Sua transparência e com a luz de Sua transcendência.

Dê-me, pelo menos, força e energia para procurá-LO. E esperança para disfarçar o medo de nunca O encontrar, na certeza de que Você está exatamente aonde se esconde; de que Você se afirma exatamente quando se nega. De que Você se manifesta através da nossa necessidade. De que Você está além do conhecimento, lá aonde mora, além de nós, A Verdade.

Artur da Távola (in memoriam)

Artigo do Acervo “The Complicated God” (EAT).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *